Organização

Contexto Histórico

As atividades de pesquisa e pós-graduação no CEFET-MG foram iniciadas no final da década de 80, com a criação da Assessoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (AEPEX) e aprovação pela CAPES do primeiro Curso de Mestrado, instituído a partir de um convênio com a Loughborough University, Inglaterra.

A partir de 1991, este curso (Mestrado em Tecnologia) passou a dispor de infra-estrutura e corpo docente próprios, sendo criada a área de concentração em Educação Tecnológica e, posteriormente, a área de Manufatura Integrada por Computador). Àquela época, diversos programas de especialização para capacitação de docentes de todo país, financiados pela CAPES, foram oferecidos pelo CEFET-MG, alguns na área de Engenharia Civil, como Geotecnia Aplicada, Materiais de Construção e Metodologia de Projetos. A área da Engenharia Civil, desde então, teve diversos avanços como a melhoria da qualificação docente, da infra-estrutura de laboratórios e da rede computacional, o que resultou na implantação do Curso de Engenharia de Produção Civil, em 1997, e na criação do Departamento de Engenharia Civil (DEC), permitindo o desenvolvimento de projetos e a formação de grupos de pesquisa.

O Departamento de Engenharia Civil incorporou, a partir de 2001, em seu quadro permanente 20 doutores com formação, titulação e produção qualificada na área de Engenharia Civil e experiência no desenvolvimento de projetos. Isto permitiu constituir um ambiente de pesquisa que conta atualmente com vários projetos em desenvolvimento, boa parte sob responsabilidade dos docentes permanentes do mestrado, sendo financiados por agências de fomento nacionais e internacionais. Tais projetos envolvem alunos de graduação e de pós-graduação.

O Departamento estruturou-se em nova sede com área construída de 2400 m2, instalando-se no Campus II onde são oferecidos a maioria dos cursos de Engenharia e são mais concentradas as atividades de pesquisa e pós-graduação da Instituição. A nova estrutura passou a contar com gabinetes para professores, secretaria administrativa, salas de reuniões, laboratórios, salas de aula, auditório, salas de multimeios e sala para bolsistas. Foram, ainda, construídos e implantados o Laboratório de Materiais, Estruturas e Componentes da Construção (LabMEC), o Centro de Computação Científica (CCC) e o Centro de Pesquisas em Energia Inteligente (CPEI), que congrega diversos pesquisadores e projetos financiados pela ANEEL, FINEP, CEMIG, FAPEMIG e CNPq. Esta estrutura é utilizada para oferta do Curso de Mestrado em Engenharia Civil.

Importante destacar que, dentre os 11 professores do Curso, 7 possuem experiência internacional (doutorado pleno ou sanduíche) em centros de excelência como Concordia University, Delft University of Technology, École Central de Paris, Imperial College, University of California e University of Edinburgh. Isto permitiu estabelecer uma rede de cooperação em projetos, orientações e produção científica conjuntas, além do intercâmbio de pesquisadores.

Política de Desenvolvimento Institucional

No âmbito institucional, as atividades de pesquisa e pós-graduação foram ampliadas a partir de 2004, com a aprovação/recomendação pela CAPES de  novos cursos de Pós-graduação stricto sensu: Atualmente são oferecidos sete cursos de mestrado sendo: Modelagem Matemática e Computacional, Engenharia Civil, Educação Tecnológica, Engenharia da Energia, Engenharia Elétrica, Engenharia de Materiais e Estudos de Linguagens.

A oferta de Cursos de Pós-Graduação está em consonância com a política de desenvolvimento da Instituição expressa no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), que estabelece como uma das metas, para o período 2005-2010, a "consolidação e expansão da pós-graduação stricto sensu" e elevar de elevar o número de "cursos de mestrado ofertados, garantidas a sua aprovação e recomendação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES". Ressalte-se ainda que esta proposta foi aprovada pelo Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação (Resolução CPPG 09/06), pelo Conselho de Ensino (Resolução CE 087/06) e pelo Conselho Diretor (Resolução CD 044/06) do CEFET-MG.

Para atingir a meta de consolidação dos cursos de pós-graduação, diversas ações vêm sendo empreendidas, incluindo a alocação de vagas em caráter prioritário para contratação, por meio de concurso público, de docentes/pesquisadores nas áreas em que há grupos de pesquisa consolidados ou em consolidação, com ambiente de pesquisa bem definido e com potencial para incremento da produção científica e tecnológica.

O PDI prevê ainda, no que se refere à pesquisa e pós-graduação, o "aperfeiçoamento dos processos administrativos, a ampliação e aprimoramento da infra-estrutura de apoio, dentre outros". Para isso o CEFET-MG conta, em 2012, com recursos financeiros oriundos do Orçamento da União de 56 milhões de reais para custeio e investimentos (220 milhões se considerado o pagamento de pessoal), o que representou um acréscimo de mais de 100% no custeio e investimentos (exceto pessoal) comparando-se ao ano de 2007.

 

Editores